terça-feira, 17 de janeiro de 2017

DEPENDE






"Amigo ou inimigo?!
Depende.
Depende da situação...
Depende do dia...
Depende do humor.
Depende do que se faz ou do que se fez...
Depende até da idade.
O tempo é capaz de dizer muitas coisas...
Dizer sobre o quanto é importante o perdão
ou o arrependimento,
o quanto um erro te levará ao acerto.
Não se pode ignorar o tempo em relação ao futuro,
apenas porque o presente lhe proporciona
certas vantagens.
Não se ri da idade de alguém mais velho
cujo o tempo levou a juventude,
pois é o tempo quem dirá se chegarás
ou não nesta idade.
Aproveitar o tempo da melhor forma possível
ainda é a melhor dica para conhecer-se a si mesmo
e crer que ninguém domina o tempo".
Lia Andrade 
 
 
 
 
 
 
 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

CAIO DE CABEÇA



















"Sempre caio de cabeça.
Confio, abraço a causa, sonho, planeio,
amo, amo, amo, luto, mimo, mergulho no amor,
presenteio, faço programas românticos,
dou mimos fofos. 
É a esperança sobressaindo às experiências,
sobressaindo às escolhas erradas ou talvez certas,
talvez aquele momento era o tempo de estar
com aquela pessoa para aquele aprendizado,
o famoso nada é por acaso. 
Tudo contribui para o amadurecimento,
ou talvez isso seja apenas a minimização das
minhas escolhas, minhas carências, meus erros,
meus amores que viraram desamores.
O afeto continua. 
Não dá para ser inimiga de alguém, no qual você
compartilhou grandes intimidades. 
Mas, como diz Hipócrates,
nunca nos banhamos duas vezes no mesmo rio,
pois nem nós somos os mesmos nem o rio será. 
É bem por aí.
Arcise Câmara 

domingo, 15 de janeiro de 2017

SEJA FORTE






"Mesmo não sendo constante,
seja forte o bastante, para marcar a sua vida,
de maneira, que, quando outros sentimentos
baterem em sua porta e se alojarem em seu coração,
ela ainda seja suficiente, para te lembrar que os
momentos felizes ficam eternizados
e possuem um sentimento lindo, 
verdinho e tenro, chamado ESPERANÇA".
Sandra Liepkaln 








quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

QUANTAS VEZES...





 
"Se permitiu ser frio, apenas para parecer mais forte?
Quantas vezes você fingiu gostar de algo,
apenas para agradar alguém?
Quantas vezes você perguntou a alguém
se estava tudo bem, sem se importar realmente
com a resposta?
Quantas vezes você morreu por dentro e ressuscitou
meses, ou dias depois?
Quando foi que você amou de verdade e doeu tanto
que parecia o fim do mundo?
Quantas vezes você silenciou,
para não gritar até ficar rouca?
Quantas cartas você escreveu e a gaveta engoliu?
Quantos choros você sufocou,
para não borrar o rímel na rua?
Quantas vezes você sonhou que caia de um prédio
e no final agradeceu por ter acordado viva?
Quantas surpresas você estragou,
por ser ansiosa demais?
Quantos abismos você criou,
por medo de enfrentar a si mesma?
Quantas páginas você arrancou,
por medo de encarar o passado?
Quantos dias chuvosos você ficou dentro de casa,
por medo de se molhar?
Quantas vezes terei que repetir que você
só tem uma vida?
Quantos minutos você perdeu, enquanto
lia este texto?
Então, não perca mais nada,
ou vai reler tudo isso outra vez"?
Ju Fusetto 
 
 
 
 
 
 
 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

PERMITO-ME

 





"Ânsia, querer, deleite, gosto, dom, regalo,
carência, capricho, fuga,
 projeção, necessidade.
 Não sei...
Mas, assumo o compromisso de permitir,
que seja lá qual desses sentimentos
que me levam a querer mostrar-me
através das palavras,
floresçam agora".
Flávia Abib 
 
 
 
 
 
 

CARÁTER É TUDO






"Tem gente que fala bonito, se veste bem,
tem um carrão maior do que o vagão do trem,
carteira estufada e é pobre...
pobrezinho de caráter!
Daí, meu bem, comigo dança,
pois caráter não se compra, nem se barganha:
é coisa de berço!
 E isso, vale mais do que tudo"!
Mell Gliter 
 
 
 
 
 
 
 
 

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

QUANDO...

 





"Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente,
 para o que me faltava 
e passei a olhar com gentileza, para o que
 eu tinha, descobri que, de verdade,
 há muito mais a agradecer do que a pedir. 
Tanto, que às vezes, quando lembro, eu me comovo. 
Pelo que há, mas também por conseguir ver".
 Ana Jácomo